Anotando as idéias #1

Como de costume, acordei às 04h30min da manha, junto com o meu marido, fiz o café, preparei a marmita dele, fui pra sala e sentei-me no sofá bem em frente à televisão. Quando liguei a TV estava passando uma série chamada “Touch, visões do futuro”, nessa série há um menino especial, que mesmo sem se expressar muito, consegue compreender as leis do universo além da matéria. No episódio de hoje voltei a pensar, como tudo no universo este diretamente conectado a uma ação, ou seja, para cada ação há uma reação, isso acontece a todo o memento, independente das nossas escolhas, pois a própria escolha implica em uma ação, nem que seja mental de inicio, e a não escolha também, cada passo dado ou não, primeiramente acontece em um campo psíquico. Depois assisti ”Os Feiticeiros de Waverly Place”, e o mais engraçada é que este episódio me remeteu ao mesmo conteúdo pensado anteriormente, sobre a questão de ação e reação. No episódio a família Russo viajava no tempo, voltando ao passado para mudar o futuro, por conta de um acordo feito pelo patriarca da família, mas isso não vem ao caso, o negócio é que podemos enxergar além do que vemos, quando vemos ou ate mesmo só ouvimos algo, pois carregamos a maquina mais fantástica dentro de nós: o nosso cérebro. É fantástico, digo mais uma vez. Consegui relacionar a mensagem das duas séries, mesmo sendo elas tão diferentes. Como já havia pensado e concluído antes tudo o que existe é a projeção de algo já existente em um universo imaterial, porque já fora projetado antes por alguém muito mais evoluído intelectualmente, por Deus é claro, não consigo me convencer de maneira alguma que as coisas são por acaso, e nem tão pouco já determinadas, tudo o que acontece advém de possibilidades das mais variadas combinações que podem desencadear as mais variadas reações, ou melhor dizendo, consequências. Às vezes me perco em um vazio, não sei explicar exatamente o que acontece comigo, é como se eu precisasse parar nesse tempo, e estar somente no tempo do pensamento, do antes de ser. Fico horas pensando sobre algo que para muitos não é nada. É preciso estar além do físico para tentar entender o porquê de cada coisa, e mais ainda o para que de cada coisa. A cada minuto e em todo lugar aprendo uma lição, a vida é isso mesmo, uma escola na qual só concluímos o primário quando morremos, e ai sim passamos para um grau maior e não menor. Acontece que não é fácil entender isso, é preciso estar mais que atento, é preciso vigiar… Depois começou o programa “Como Será?”, amo esse programa, foi abordado a questão do lixo, amei, e vou adquirir um composteira, é tudo o que sonhei, maravilhoso…

Fabiana Rodrigues Oliveira
Créditos da Imagem: Cultura Digital

Anúncios