Liberdade, onde?

Atualmente, muito se fala em liberdade, principalmente na mídia. A liberdade se tornou uma realidade para personagem Elsa do filme FROZEN (Walt Disney – 2014), é um dos temas principais da novela infanto-juvenil Cumplices de um Resgate (SBT – 2015), e nos jornais, em meio a crimes de corrupção cometidos, a privação da liberdade é a pena de quem fez o que não deveria, mas, o que seria essa tal “liberdade” que todos almejam?

Eu adoro a ideia de liberdade, e tento colocar em prática o máximo possível, pois para mim, liberdade é vida. Com a liberdade, vem a autonomia. Eu sou livre para fazer o que EU quiser. Por isto digo, faça e se responsabilize. A liberdade anda de mãos dadas com a autonomia, e nem todo mundo quer ser autônomo, geralmente nem todo mundo quer ser responsável pelas coisas quando não lhes são favoráveis.

Normal isto? Diria que sim! Quem nunca, não? Quem nunca fez algo e não teve peito para assumir. Melhor ainda, é quando você se lembra de episódios como esse, que ate te fazem rir, por hoje ser algo bobo e infame. Aquele que nunca fez uma besteirinha e se safou que atire a primeira pedra.

A liberdade e a independência total são uma utopia, nunca poderá ser algo pleno, pois já nascemos necessitando de cuidados de terceiros, porém, seria importante compreender que dos valores, a liberdade não é o mais importante. Valorizo a liberdade, para que eu possa fazer mais pelo outro, sem estar deixando de fazer o que eu quero, sem deixar de fazer o que gosto, o que me faz bem, se doar, e me administrar como ser humano. É legal sair por ai, com uma mochila grande nas costas e um violão, cabelos ao vento, pensando ser o dono do mundo, a liberdade é bacana, mas talvez inexistente.

Uma vez que a sua liberdade ultrapasse os vossos limites, ela invade os limites alheios, gerando assim conflitos, talvez até grandes conflitos. É importante compreender que cada um tem seus limites, que suas grandezas são variáveis, podendo fazer com que uma invasão de liberdade seja maior ou menor dependendo do grau de intimidade, tal como este é o motivo do qual, certas gafes se tornam motivo de risos com o passar do tempo.

Vivemos cedendo o tempo todo. É um favor que se faz aqui, outro ali, e minha liberdade? Por isto é necessário saber se administrar como ser humano, também é preciso saber dizer não para poder viver. Pergunto-te mais uma vez, é sua liberdade, fica onde? Quantas vezes ao dia você faz o que quer, sem se preocupar com consequência, despreocupado se acontecer algo grave, e com as consequências geradas por esta ilusão de que sou impune com o título de dono do mundo? O que será que estou fazendo por mim, realmente vivendo, onde está, a real liberdade? Quem sabe? É um mistério.

Haristom Willy F. Monção
Créditos da Imagem: Dia de Mudança

Anúncios